top of page

A orquídea é uma planta que gosta de sol, mas que deve evitar exageros. Por isso, vale deixá-la em uma janela que tenha uma boa entrada de claridade.

Elas tendem a preferir o sol da manhã, e o recome... 

Orquidea Fhalaenopsis diversas

R$ 150,00Preço
  • Não deixe faltar luz

    Muitos acreditam que, por serem plantas delicadas, as orquídeas não gostam de luz, mas essa informação não é correta. Mesmo os espécimes considerados de sombra precisam de luz solar, ainda que em menor quantidade, para que se desenvolvam plenamente.

    Prefira manter suas orquídeas próximas a janelas ou locais em que elas peguem o sol do começo do dia, entre as seis e as oito da manhã. Você perceberá rapidamente a diferença que um pouco de luz faz para a saúde delas.

    Escolha bem o vaso

    Se você acha que o vaso da sua orquídea é apenas um suporte para o crescimento da planta, está muito enganado. O modelo do vaso, assim como o material de que ele é feito, influencia muito na saúde da sua orquídea!

    • Vaso de plástico: é o tipo mais comum, por ser barato e fácil de encontrar. O vaso de plástico não absorve água por se tratar de um material não poroso, o que o torna uma boa opção para orquídeas que precisam de menos água. Tendo furos na parte inferior, é um vaso curinga.
    • Vaso de cerâmica: diferente do plástico, modelos de vaso em cerâmica seguram mais água na planta, o que permite que você ague sua orquídea com menor frequência. São mais pesados, porém com uma estética que dispensa o uso de cachepôs.
    • Vaso de porcelana: esteticamente agradáveis, os vasos de porcelana são pouco práticos na criação de orquídeas. Como não costumam ter furos no fundo, a água da rega fica acumulada, o que pode levar ao apodrecimento das raízes da planta. Prefira usá-los como cachepô, deixando o vaso em que a flor está plantada livre para ser retirado no momento de rega e escoamento, ou opte por modelos com fundo e laterais vazadas.
    • Cestos vazados: os cestos vazados ou vasos com aberturas laterais são ótimas opções para orquídeas epífitas, aquelas que ficam em cima de árvores. As raízes da planta ficam bastante expostas ao ambiente, o que é perfeito para a aeração e o crescimento das raízes.
    • Garrafa PET: uma alternativa sustentável e barata, a garrafa funciona como um vaso plástico. Logo, ao escolher cultivar orquídeas em garrafas PET, não se esqueça de criar furos no fundo e nas laterais. Como já apontamos, os furos garantem que o substrato fique arejado e sem acúmulo de água.

    Regue bem, mas não sempre

    Só há uma regra quando o assunto é rega de orquídeas: não exagere. Cada espécie precisa de uma frequência diferente de rega e, considerando que existem milhares, é impossível discutir as necessidades de cada uma. Além da espécie, fatores como temperatura e umidade da região em que a planta está certamente influenciarão na necessidade de rega.

    Orquídeas não gostam que seu substrato se mantenha constantemente úmido, então não tenha medo de deixá-lo secar de vez em quando. Antes de aguar, o ideal é que você coloque a ponta do seu dedo no substrato. Estando seco, pode aguar; caso ele saia sujo, a rega pode esperar mais um pouco. Molhe bem a planta e aguarde o substrato secar novamente.

    Não se esqueça da adubação

    Sua orquídea anda tristinha, sem flores ou sem crescimento? Pode ser falta de adubo! Adubos orgânicos ou químicos contêm substâncias que a sua planta não consegue produzir por conta ou captar da água, então cabe a você a missão de servi-la com um pouco de adubo de tempos em tempos.

    Uma boa ideia é fazer uma trouxinha usando bokashi ou biokashi e um tecido poroso (como uma meia-calça usada ou TNT), que você pode colocar no vaso da sua orquídea. Ague sobre a trouxinha e ela vai liberar o adubo dissolvido aos poucos para a sua plantinha.

    O tipo de substrato importa!

    São muitas as opções de substratos que podem ser usadas como base para que sua orquídea cresça, e pensar bem na sua escolha é importantíssimo para a saúde e o desenvolvimento da sua planta.

    O substrato ideal permite que as raízes da planta fiquem arejadas e retém a quantidade certa de umidade. Logo, a escolha do substrato pode depender do modelo de vaso escolhido. Por exemplo, vasos de cerâmica guardam mais água, logo é mais interessante que você opte por um substrato mais seco.

    Ventilação não pode faltar

    Orquídeas gostam de ter espaço e circulação de ar, então evite deixar suas plantinhas no meio de outras ou acumuladas em um cantinho. Evite também o uso de ar-condicionado, pois tanto o vento frio como a baixa umidade podem prejudicá-las.

    Esterilize suas ferramentas de poda

    Não são só os humanos que precisam de produtos esterilizados! Antes de fazer a poda de sua planta, passe a tesoura ou a faca que será utilizada no fogo e deixe-a esfriar. Depois disso, pode seguir com a poda normalmente. Esse processo impede que possíveis doenças se espalhem, especialmente ao podar mais de uma planta.

    Canela é um santo remédio

    Após a poda da planta ou quando ela apresentar machucados no caule ou nos galhos, passe um pouco de canela em pó sobre a área exposta. A especiaria colabora na cicatrização da sua orquídea e evita que pragas se aproveitem da parte exposta da sua plantinha.

    Preste atenção à cor das folhas

    Se sua orquídea apresenta folhas com um verde muito escuro, é sinal de que ela precisa de mais luminosidade. Já quando as folhas aparecem amareladas, trata-se de excesso de luz: melhor mantê-la em um local que bata menos sol ou por menos tempo.

    Cuidado com as pragas

    A probabilidade de lidar com alguma praga varia de acordo com a localização da sua orquídea – seja em área interna ou externa, em apartamento ou casa. Plantas de área interna ou de apartamento costumam estar menos expostas a ataques de lesmas, por exemplo, mas elas não são as únicas que podem te dar trabalho.

    Para prevenir o aparecimento de pragas, esteja sempre atento à aparência das folhas de sua orquídea e passe sabão de coco, com o auxílio de uma escova de dentes, em suas folhas.

    Não faça podas à toa

    Quando a florada acaba, não é necessário que você faça uma poda radical. O ideal é sempre prestar atenção às reações da planta. Por exemplo: se a ponta da haste está seca, mas o restante está verde, retire apenas a parte que a planta já rejeitou.

    Mudando para um novo vaso

    Eventualmente, sua orquídea crescerá bastante e será preciso trocá-la de vaso. Quando esse dia chegar, atente-se a de que lado surgem os brotos da sua planta. Essa é a “frente” da planta e precisa ser apoiada em algum dos lados para que ela cresça de forma saudável.

bottom of page